Você acredita em lucros neste momento?

A pandemia virou o mundo, os negócios e as empresas de cabeça para baixo. Planos financeiros e orçamentários foram descartados. Quando elaborados, o cenário era outro, mas a intenção estava – acredito – nos melhores resultados. Sonhos de expansão caíram por terra.

E agora, dadas as circunstâncias, qual deve ser o lucro da empresa? Eis uma pergunta pertinente. Alguém, no entanto, deve estar pensando: “Lucro? Darei graças a Deus se sair vivo dessa! O ponto de equilíbrio já é um bom resultado”.

Como bem sabemos, o ponto de equilíbrio é quando as receitas cobrem as despesas apenas e o lucro é igual a zero. Se nos prendermos só aos números, o perigo é esse: retornar à desgastada mentalidade de sobrevivência da velha economia.

Alguma razão para não pensar em lucro nesse momento difícil?

Experimente substituir tal pergunta por essa: considerando as circunstâncias, mas sem perder o propósito de vista, qual deve ser o lucro?

A mudança da pergunta altera a qualidade de resposta. Em momentos difíceis e ameaçadores, é fácil perder o propósito de vista e concentrar as atenções nos mecanismos de sobrevivência, que, bem sabemos, resvalam para os números e as métricas. Mais uma vez, surge a ultrapassada e insana tentativa de definir o placar primeiro para depois preparar o time e o esquema tático. Nunca deu certo e nunca dará.
O propósito – refiro-me a um propósito de verdade – está relacionado à criação de valor e à geração de riquezas.

Em última instância, quem define o valor é o cliente. O resultado – e o lucro é uma forma de expressá-lo – deve ficar onde é, mesmo, o seu lugar: no final.

O que influencia e motiva as ações geradoras de resultados – o propósito é capaz disso – é muito mais importante do que o resultado final. Sim, porque abre caminho para que se chegue a ele. Claro, de maneira positiva.

Agora, sim, a pergunta oportuna: como criar valor dadas as circunstâncias?

A sua empresa cria valor para os clientes quando eles estão dispostos a pagar a conta integral, que inclui todos os recursos investidos para atendê-los. Um deles é justamente o lucro. Considere-o como um indicador de que o cliente valoriza o que a sua empresa faz.

É importante que você reconheça o lucro como algo que o cliente nos entrega quando suas expectativas são atendidas. A depender de seu grau de satisfação, portanto, entregará mais ou menos. O importante é admitir que existe – e assim continuará, mesmo diante da pandemia – uma região de lucro disponível em cada cliente.

Finalmente: existe alguma razão para deixar de atender, satisfazer e surpreender o cliente, nas atuais circunstâncias? Nenhuma. E é por aí que os negócios e as empresas seguirão sendo revitalizados.
Entenda de uma vez por todas: só ultrapassaremos com êxito a atual conjuntura ao criar valor, gerar riquezas e, em razão disso, obter lucros. São viáveis, sim. Diante de qualquer conjuntura. Pratique e comprove.

Quem leu esse artigo também leu esses:

  • Desiderato 11 – Eu desejo preservar o planeta

    Oikos é uma palavra de origem grega que pode ser traduzida por “casa”. O Planeta...

  • Desiderato 8 – Eu desejo espiritualidade na economia, nos negócios e no trabalho

    Pense na consciência que tem de si. Reflita sobre as ações que realiza em função...

  • A mania de enxergar apenas o que interessa

    Quantos negócios surgiram onde não havia nada ou, mesmo, porque alguém passou a fazer de...



Acompanhe também no instagram