“Tempo é dinheiro!”

Esse dito integra o fadário do mundo dos negócios. Sugere, e até enfatiza, que não há tempo a perder. Perder tempo é também perder dinheiro. Então, para quem pensa negócios e lucros, o tempo é uma variável fundamental nessa equação.

Quando transferimos o velho dito dos negócios para a vida pessoal, entretanto, a máxima pode se transformar em uma falácia. Pois se tempo é dinheiro, tudo o que se faz com o tempo, principalmente nas atividades de lazer, pode receber uma precificação negativa. E alterar o grau de bem-viver entre aqueles que têm mais dinheiro e os têm menos. Em suma e surpreendentemente: quem tem menos dinheiro pode ser mais feliz!

Considere o seguinte: a pessoa que tem mais dinheiro tende a dar e atribuir mais valor a seu tempo do que aquela que tem menos dinheiro.  Isso pode afetar a maneira como gasta – ou investe – o tempo em atividades consideradas não-lucrativas ou inúteis. Assistir a um concerto, visitar uma galeria de artes ou brincar com uma criança pode ser um grande desperdício de tempo para quem vive nessa relação direta tempo/dinheiro. Para quem ganha menos, assistir ao balé O Quebra Nozes de Tchaikovsky pode custar alguns centavos do seu tempo, mas para quem ganha mais, o tempo despendido provavelmente equivale a um bom montante. Quem apreciaria mais a música e a ouviria com mais paciência e, sobretudo, enlevo?

Quando o tempo é relacionado com o dinheiro, presta-se mais atenção ao tempo como dinheiro e isso pode mudar muito a percepção que temos de atividades não remuneráveis, transformando em penosos momentos que poderiam ser deleitosos. Ou ainda, fazer com que não demos nenhuma importância ao tempo gasto em atividades consideradas banais e inúteis, pois não trazem nenhum provento.

O dinheiro é funcional e útil, mas não necessariamente produz a beleza que existe no inútil. E sem a beleza, a vida se torna insossa e insalubre. Talvez seja por isso que Jesus disse, espantando os ricos da época: “é mais fácil passar o camelo pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus”.

O Reino de Deus é aqui e agora, para aqueles que sabem colocar o dinheiro e o tempo em seus devidos lugares.

Quem leu esse artigo também leu esses:

  • “Pode não ser essa gravata o que sufoca”

    Às vezes o que pega mesmo é a falta de autoestima. O jovem apanha nos...

  • Do desejo ao empreendimento.

    Quando olhamos uma empresa, ativa e líder de mercado com seus produtos e serviços, pouco...

  • Demita o medo e coloque a curiosidade no comando!

    Nos muitos anos atuando com líderes e empresas, escuto com muita frequência comentários do tipo:...