Ser vulnerável é uma sabedoria

Invulnerável é aquele que não pode ser ferido, nem fisicamente nem moralmente. Sim, pois pela posição hierárquica, está acima de qualquer ataque ou crítica. Sobretudo, não se deixa atingir, pois é alguém com quem não se pode discutir. Quem nos oferece essas definições é o filólogo e enciclopedista brasileiro Antônio Houaiss.

Imagine o mundo do invulnerável, protegido por uma redoma de tudo e de todos. Para evitar a dor e o sofrimento, a conta é alta, lamentavelmente paga com a alienação e o abandono. Uma vida tão preservada deixa de ser, portanto, vida! 

Líderes gostam de se mostrar invulneráveis. Não querem parecer fracos diante dos liderados. Com isso, disfarçam a sua humanidade, como se pertencessem a uma outra espécie. Mantêm-se afastados e com acesso restrito à realidade. Pesquisas demonstram que apenas 4% da realidade chega ao líder. O restante, seja para poupá-lo, seja para poupar-se, é jogado embaixo do tapete.

A grande vantagem, acredite, é ser vulnerável, embora o termo possa não ser de agrado geral. Mas vale abrir mão dos pressupostos e crenças que temos diante do que a palavra costuma significar. 

Ser vulnerável não é um acidente. Todos temos fraquezas físicas, emocionais, intelectuais, espirituais. Ninguém é brilhante e talentoso em tudo, o que não é um grande problema. 

No livro Chamamentos, apresento a vulnerabilidade como um dom, entre outros quatro. Deixar de fingir que é perfeito e apresentar-se sem receio em suas imperfeições é uma virtude! Em vez de justificar-se com desculpas esfarrapadas, admita e diga a verdade sobre si mesmo. 

Sabe o que vai acontecer? 

As pessoas vão gostar de você do jeito que você é. Vão se identificar com você. É uma atitude que gera aproximação e solidariedade.

Quem se sente vulnerável não tem vergonha de pedir ajuda. A melhor prova de nossa humanidade é ajudar quem, humildemente, nos pede.

Lembremos Paulo, o 13º. apóstolo que não temia esconder tal condição: “pois quando sou fraco é que sou forte”.

Sem medo de ser vulnerável!

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios*