Não fosse ele

Estava tudo aí, mas precisou dele para colocar em xeque alguns pressupostos que nunca construíram nem construirão sociedades e organizações saudáveis e sustentáveis. 

Ele nos fez comprovar que uma economia considerada bem-sucedida não garante uma sociedade bem-sucedida. Somente ele foi capaz de escancarar, como nunca antes aconteceu, as diferenças sociais não percebidas em nosso transe diário.

Não fosse ele, talvez nunca nos déssemos conta de que o egoísmo, a competição predatória, a ganância e o medo não resolvem os principais dilemas humanos. Ao contrário, sairemos dessa graças à cooperação, à solidariedade e ao amor.

Foi ele que nos levou a tomar consciência de que fazemos parte de uma grande teia, estamos conectados, somos interdependentes e integramos a mesma família, a família humana. Por isso, do Hemisfério Norte ao Hemisfério Sul podemos nos contaminar de doença e medo ou nos contagiar de saúde e amor. Temos, sim, escolha!

Precisou dele para tomarmos ciência de que a hierarquia, o comando e o controle não são as melhores formas de organização. Ao contrário: as ideias fluem livres quando os criadores podem se expressar, libertos da submissão que os condena à lamentável condição de criaturas. 

Sem ele, possivelmente nunca nos déssemos conta de que os nossos planos, burocracias e regulamentos não resolvem novos desafios, apenas remediam os velhos e surrados.

Não fosse ele, talvez levássemos uma vida inteira sem notarmos a diferença entre o que funciona e o que verdadeiramente importa. 

Só ele mesmo para nos fazer compreender que a diversidade é a solução, não um problema. 

Precisou dele para fazer com que aprendamos de uma vez por todas que a tecnologia é um meio extraordinário, mas não resolve a nossa necessidade da química do abraço, do contato físico, das relações e da convivência real.

Depois que tudo passar, ele nos terá ensinado sublimes lições de como podemos ser humanos de verdade. Quem sabe, será o precursor de uma nova humanidade. Amém.

Quem leu esse artigo também leu esses:

  • Faça as contas, mas aposte nos contos.

    A Policia Militar não entra em acordo com a Datafolha. Eles não acertam a conta....

  • Acabou!

    Fim dos planos. Qualquer um já delineado se transformou em jornal de ontem, do dia...

  • Em busca da inovação.

    Inovação! Está aí uma palavra que é unanimidade. Nos discursos inflamados dos dirigentes de empresas,...

Acompanhe também no instagram