Da sobrevivência à prosperidade

Obras dão trabalho. Mas é para isso que ele existe: para empreender e desenvolver. A qualidade do trabalho assegura a qualidade da obra. E o que garante a qualidade do trabalho é a qualidade da liderança. Que obras os tipos apresentados em seguida construiriam?

O solucionador de problemas

Seu modelo de gestão assemelha-se ao do jogador de tênis de mesa. Para cada ping, um pong. De certa forma, a habilidade com a raquete e com esse tipo de jogo, faz do solucionador de problemas um eterno patrocinador de problemas. Ele anseia por eles!

Sob seu comando, claro, existe uma legião de subordinados geradores de problemas. Afinal, sem eles, o modelo de gestão sucumbe e o líder não terá com que se divertir.

O construtor

Interessado no cliente, está sempre curioso, atento e disposto a desvendar suas necessidades. Mas vai além de apenas elaborar o melhor produto. Cria um portfólio de serviços. De fato, se apaixona pelo cliente. E um construtor apaixonado pensa mais em beleza do que em funcionalidade, mais em elegância do que eficiência.

Construção remete à engenharia, mas nesse contexto está mais para arquitetura. O bom construtor sabe que toda decisão de compra do cliente é mais emocional do que racional. Por isso, deixa o cliente andar pelo jardim inacabado. Depois, seguindo os rastros, pavimenta o trajeto.

O cultivador

Ao desapegar-se da pecha de proprietário, o cultivador muda a qualidade de sua contribuição. Ele não é mais a empresa e muito menos o cargo.

A tomada de consciência e a visão mais sistêmica faz com que compreenda que é responsável por todo o holograma, o espaço em que as energias se encontram para fazer algo acontecer. Esse espaço poderá ser preenchido com ruídos dissonantes ou com vozes harmoniosas. O cultivador sente-se responsável pelo holograma e quer contribuir com ele. É ali que pretende produzir riquezas. Esse é o jardim que precisa ser cultivado. O cultivador é, sobretudo, um gestor de homeostase.

Estágios

O leitor já deve ter notado que esses três tipos são estágios por onde trilha a liderança. Do ciclo de sobrevivência ao ciclo de prosperidade. Um por um, essa é a nossa caminhada. Inexorável e extraordinária travessia!

-->

Quem leu esse artigo também leu esses:

  • Para criar oportunidades 4 – A pressa e a mesmice

    Existem empresas que vivem a síndrome da pressa. Seus funcionários estão sempre atabalhoados e o...

  • Desiderato 8 – Eu desejo espiritualidade na economia, nos negócios e no trabalho

    Pense na consciência que tem de si. Reflita sobre as ações que realiza em função...

  • Por que os clientes estão sempre insatisfeitos?

    Theodore Levitt, o célebre guru de marketing, dizia que “não existem indústrias de prestação de...