“Pode não ser essa gravata o que sufoca”

Às vezes o que pega mesmo é a falta de autoestima. O jovem apanha nos estudos, no vestibular, nos relacionamentos, da vida. Não consegue arranjar um bom trabalho. O conceito que tem de si, portanto, fica abaixo da sola do sapato. Conheço muitas pessoas assim, embora saiba que sejam inteligentes e talentosas. As derrotas que sofrem acabam fazendo com que percam a confiança em si mesmas.

Mas, se são inteligentes e talentosas, porque fracassam?

Falta-lhes um propósito que as tire da roda-viva em que se meteram. Afinal, para que ou por que os estudos, vestibulares, relacionamentos e o próprio cotidiano, se tudo isso foi encaixado em uma roda-viva institucionalizada? Uma roda-viva que é a mesma para todos, independentemente de seus desejos e vocações?

Sem um propósito que lhes traga significado, a intenção perde a força. E a intenção é que oferece a força necessária para que a roda se mova. Sem ela, o que resta é um inútil dispêndio de energia, tempo e atenção.

Funciona assim: você pode fazer aulas de inglês duas vezes por semana; você pode ler e estudar dia sim, dia não; você pode frequentar a academia três vezes por semana para as suas atividades físicas; você pode comparecer a encontros sociais ou familiares semanalmente. Mas nada disso vai causar um efeito duradouro ou satisfatório sem que haja um propósito que eleve a qualidade da intenção.

Por outro lado, tudo isso é capaz de gerar resultados surpreendentes, sem que seja preciso adicionar mais tempo a cada uma dessas atividades, apenas mudando o tamanho da intenção. Não se trata mais de quantas vezes terá aulas de inglês, fará leituras e estudos, irá à academia ou, ainda, manterá encontros com parentes e amigos, mas da qualidade da intenção presente em cada momento.

Voltando ao assunto da autoestima, saiba que o sentimento de incapacidade, incompetência ou impotência pode ser devido à ausência de um propósito que ofereça significado à sua agenda diária. Como diz o verso da canção de Taiguara, “pode não ser essa gravata o que sufoca”. Com discernimento, é possível agir exatamente onde é possível obter os melhores resultados. Pratique e constatará!

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios*