Para que serve um propósito na empresa?

A empresa é um ambiente propício ao conflito. As pressões chegam por todos os lados. Insatisfação de clientes, inadimplências, atrasos por parte dos fornecedores, ameaças dos concorrentes, coibição dos agentes do governo, iminência de novos entrantes, oscilações no fluxo de caixa, aumento dos custos… A lista é infindável. Todas as pressões repercutem nos relacionamentos internos, os quais se tornam rasos e ríspidos, gerando conflitos que só fazem crescer ao longo do tempo, pois o conjunto de circunstâncias reduz ainda mais o exíguo espaço nas agendas atribuladas. Assim, os conflitos não conseguem tratamento adequado.

Diante da turbulência externa e da confusão interna, existe a necessidade de um porto seguro, algo que funcione como um ponto de conexão e convergência face a tantas desconexões e divergências diárias. O propósito é esse baluarte. Sem ele, restam apenas os pomos de discórdias, quais sejam, as metas do mês, o faturamento da semana, as entregas do dia.

Tome como exemplo a religião cristã: é sabido que as discordâncias são muitas, os conflitos, latentes e as discussões, calorosas, até que algum iluminado expressa o propósito de “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”. Diante de tal declaração, todos se calam e se curvam, todos obedecem, deixando soberbas e controvérsias de lado, pois nada é mais forte e verdadeiro do que um propósito sobre o qual todos estão de acordo.

Também nas empresas um propósito funciona como apaziguador de conflitos ou norte para onde todos aceitam olhar e para o qual se dirigir. Ao mesmo tempo, um propósito inspirador é capaz de angariar as energias individuais, criando um senso de unidade e de comunidade, necessário e salutar diante de um mundo desagregador.

Sabemos, no entanto, que nem todo propósito grandioso é comum a todos e a tudo. Ao contrário, os propósitos mais poderosos são aqueles que indicam a direção de nadar contra a maré. Provocam resistências, principalmente entre aqueles que se sentem ameaçados pela mudança e provocados pelo desafio. Também nesse sentido, por mais complicado que pareça, o propósito é necessário e desejável. Ajuda a constituir a equipe adequada para alcançá-lo, deixando mais claros quem são os comprometidos e quem são os correligionários.

Um propósito na empresa, portanto, é mais do que urgente em tempos tempestuosos e sem nenhum sinal de calmaria. Deflagrar e coordenar o processo é preciso!

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios*