Nos ponteiros do relógio

Quando recriei a Metanoia, fiz questão de mudar o sobrenome de “Metanoia – educação nos negócios” para “Metanoia – propósito nos negócios”. Espantava-me –  e ainda me espanta – o grande número de empresas que vagam a esmo, sem uma razão maior para existir.

Essas têm como principal objetivo crescer e lucrar. Vivem exclusivamente para tal busca. Há quem possa considerar que seja esse o seu propósito, mas não é a nossa compreensão nem o que ensinamos sobre o tema. Uma empresa que tem como propósito crescer, lucrar ou apenas ganhar dinheiro para sobreviver ou assegurar o sustento dos seus sócios parece um relógio que só tenha o ponteiro dos minutos. Falta sentido e direção, sobra ansiedade e pressa.

“A vida é curta demais para ser pequena”, disse Benjamin Disraeli. Uma empresa sem um propósito que tenha grandeza paga um alto preço por essa escolha: vive sem sentido e direção, sem aprendizagem e conhecimento, sem fluxo e energia, sem potência e vitalidade. Resta-lhe apenas a repetição e o tédio.

O que fazem as pessoas que trabalham em uma empresa cujo propósito não tem grandeza? Fogem e evitam o trabalho que não lhes traz nenhuma significação e gratificação, senão (a financeira. Ocupam freneticamente o tempo marcado pelo ponteiro dos minutos correndo de lá para cá e de cá para lá, fazendo múltiplas coisas simultâneas, verificando a todo momento a chegada de e-mails, recados, torpedos, notícias. Assim, permanecem à espera de que, de repente, não mais que de repente, algo surja em sua vida como força de um destino que já esteja traçado. Tudo para distrair o tédio que não se esvai, apenas se esconde por trás do invisível ponteiro dos segundos.

Mas existe um outro jeito de ser empresa. O ser humano anseia por uma busca muito maior do que apenas garantir a sobrevivência e assegurar o sustento. Quem não deseja trabalhar para um bem maior? Somos seres em busca de sentido e a melhor empresa para se trabalhar é aquela que faz essa oferta tanto a seus colaboradores como a seus clientes. O sentido se encontra no cuidado com o mundo, na parcela de mercado que lhe compete. Cuidar mais dos outros do que de si mesmos. Cuidar faz bem à alma.

O desafio mais importante da liderança é encontrar, junto com sua equipe, um propósito, com os olhos e ouvidos voltados aos clientes e ao mercado. A função dos negócios é gerar riquezas, não juntar milhões. Todos os que sabem disso, fazem a hora. Esteja, portanto, entre eles!

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios*