Lembrando Maslow

Você já teve aquele sentimento gostoso de saber que faz alguma diferença em seu ambiente de trabalho? A nobre sensação de contribuir para algo maior e deixar as pessoas mais felizes? E de que pode mudar o que e como faz, para se ajustar melhor às suas necessidades e às de quem se beneficia com o que produz?

Você já sentiu uma completa simbiose com o trabalho, a ponto de considerá-lo sua identidade, ao mesmo tempo em que a sua identidade seja o trabalho? Uma fusão perfeita entre missão pessoal e missão profissional, como se o trabalho fosse um órgão vital de seu corpo – o coração, por exemplo?

Caso tenha respondido sim, você integra o grupo de privilegiados capazes de reconhecer o significado de seu trabalho e de exercer influência em sua empresa. Deseja controlar seu próprio destino, planejar, realizar e ter sucesso. A isso tudo se dá o nome de autorrealização.

Autorrealização é um termo criado pelo psicólogo Abraham Harold Maslow para definir o estágio máximo que uma pessoa conquista na vida profissional.  É ser, em verdade, aquilo que uma pessoa já é, potencialmente.

Mas isso não ocorre por acaso. Para que aconteça é preciso que, antes, a empresa, por meio de suas lideranças, crie as condições favoráveis. Entre elas está incluída a compreensão de que mais importantes que os resultados são as pessoas que fazem esses resultados. Implica uma mudança de direção do olhar, deslocando-o das metas de desempenho para focá-lo na natureza humana e no entendimento de que a única fonte confiável de resultados são as pessoas que portam e desenvolvem continuamente suas competências.

Autorrealização exige trabalho árduo, mas compensador. Só uma empresa com alma é capaz de elevar cada um de seus profissionais a um nível superior de relação com o trabalho e a vida.

O próprio Maslow dizia que quanto mais promovemos o lado humano da empresa, mais a humanidade de todos também se amplia, sejam líderes e colaboradores, sejam clientes e fornecedores. Existe desafio mais grandioso do que esse?

A bênção, velho Maslow!

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios*

Quem leu esse artigo também leu esses: