Equipe de alta performance – Parte 1.

Você tem ideia de quanto a sua empresa desperdiça de resultados todos os meses? Ao avaliá-los no final do mês, aposto que sempre fica aquele sentimento de que poderia ter sido melhor, considerando o tanto de esforço despendido. A mesma sensação aparece quando é analisado o desempenho da equipe, no confronto com o empenho individual de cada participante. Arrisco ir mais longe: cada um de nós guarda um sentimento íntimo de não estar rendendo tudo o que pode ou é capaz. Estou certo?

Se você está de acordo, podemos ir mais adiante, na seqüência do raciocínio: a alta performance não é uma questão de circunstância ou conjuntura favorável. Alta performance é o principal trabalho do líder, portanto, uma disciplina da liderança.

Desempenho organizacional é decorrente do desempenho humano. Algumas empresas se destacam por seus resultados eficientes advindos de equipes eficientes. Nada mais que isso. Para produzir alta performance, pessoas de alta performance são essenciais. Elas, quando juntas, constituem equipes de primeira linha.

Um breve exercício

 

Descreva três objetivos de desempenho que a sua empresa pretende atingir nos próximos três meses. Papel e caneta em mãos!

E aí? Sempre que lanço esse desafio aos líderes de empresas, na maioria das vezes os objetivos descritos não estão baseados em desempenho, mas em tarefas. Significa que descreve algo a ser feito e não a ser atingido. Talvez seja esse um dos motivos pelos quais a maioria dos líderes cria mais trabalho do que resultados em suas empresas. “Crescer a participação no mercado”, “ter uma equipe de alta performance”, “satisfazer o cliente nas suas necessidades” são objetivos baseados em tarefas, não em desempenho.

Sempre que definir um objetivo, indague: “como saberemos se fomos bem sucedidos?”.  Se não for possível averiguar, você está diante de um objetivo baseado em tarefas. Objetivos de desempenho definem os resultados almejados. São, portanto, mensuráveis e realizáveis. Está aí a primeira lição: alta performance não é uma questão de intenção, mas da clareza na definição dos objetivos de desempenho.

 

A química do desempenho

 

Pois bem! Se o desempenho da empresa é decorrência do desempenho humano, o líder precisa conhecer o que impulsiona ou restringe o desempenho humano. O desempenho humano, por sua vez, decorre das necessidades humanas. Em suma, um líder de uma equipe de alta performance é aquele que sabe alinhar desempenho organizacional com realização pessoal.

O desempenho humano é fruto da atuação do líder e da química que produz no ambiente de trabalho. Sua atuação pode impulsionar ou restringir o desempenho pessoal e organizacional. As empresas com equipes de alta performance possuem alguns fatores em comum: confiança, compromisso e foco, tanto nos resultados, quanto na realização dos colaboradores.

E aí está o principal segredo da química geradora da alta performance: buscar um equilíbrio dinâmico entre desempenho da empresa e realização dos funcionários. Mas, para isso, é necessário saber o que as pessoas buscam.

No próximo artigo, vamos desvendar o que está por trás do desempenho humano. Venha comigo!

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios*