Desvendando as competências submersas.

O principal trabalho do líder é conseguir os resultados. Penso que estamos de acordo quanto a isso. Mas será que os líderes sabem, de fato, o que faz mesmo o resultado?

Se, para o líder, resultado é apenas a diferença entre as entradas e as saídas, seu campo de ação é bem pequeno. Claro, pois se reduz a duas variáveis. Mas existe uma outra maneira de enxergar o mesmo e fundamental objetivo. Resultado pode e deve ser compreendido como a soma dos vários desempenhos individuais. Pensar dessa maneira muda o ponto de vista, antes centrado em uma simples equação financeira ou contábil, para a origem real do resultado: as pessoas.

 

Descubra as maravilhas submersas

 

Imagine que as competências de uma pessoa têm a forma de uma ilha – e, acredite, essa é uma boa metáfora para o caso. Na parte superior e visível está o conjunto de seus conhecimentos, habilidades e comportamentos.

Saiba, no entanto, que esse conjunto de competências é apenas o pedaço visível da ilha. E nem mesmo é o maior. Existe um outro conjunto de competências que está submerso, da mesma forma que o restante da ilha, e que abriga um potencial inimaginável de desempenho e, portanto, de resultado.

Já explicitamos a parte visível das competências. Porém, se nos limitarmos apenas a elas, reduzimos a possibilidade de uma pessoa de ir além, de descobrir seu próprio potencial latente ou adormecido.

Para que ela possa ter acesso a esse universo desconhecido, existem mais quatro componentes da competência. O primeiro deles é a atitude. Entenda por atitude a predisposição mental de agir de determinada forma.

As inteligências são os outros componentes das competências. Howard Gardner e sua equipe provaram que existem mais inteligências do que as normalmente medidas pelos testes de QI, que supervalorizam a lógico-matemática e a lingüística.

A ilha das competências se completa com os dons e talentos. E aqui está o que é realmente essencial. Sem querer exagerar, essas competências são a pessoa. E como identificá-los? Existem algumas pistas.

Quando fazemos coisas relacionadas aos nossos dons e talentos, é com muito gosto e sem grande esforço. Mergulhamos nessas atividades, em estado de profunda concentração e êxtase. Nós nos sentimos realizados.

Nossos dons e talentos sempre valem muito. E há quem se disponha a traduzir em moeda esse imenso valor, apesar de estarmos dispostos a usá-los de graça, tamanha é a satisfação que nos causam.

 

Resultados e recompensas

 

Todos trabalham na expectativa de receber alguma recompensa. Para isso, muitos desenvolvem conhecimentos e habilidades e adotam determinados comportamentos.

O que muitos líderes não percebem é que essa recompensa ainda se baseia apenas na parte superior da ilha. Ao limitar suas atenções apenas a essa pequena parcela do todo, desperdiça o restante, justamente onde está o que é mais significativo e poderoso: o potencial de desempenho presente e futuro.

Trata de reverter agora mesmo essa distorção. Tanto no que diz respeito aos colaboradores como a você, líder. Descubra e trate de usar plenamente o que está submerso, porque é disso que depende o sucesso de sua equipe e, conseqüentemente, de sua empresa. Hoje e amanhã. Sempre!

Começamos dizendo que o principal trabalho do líder é conseguir resultados. Podemos então concluir que o principal trabalho do líder, na prática, é criar um ambiente de trabalho que permita a expressão das competências, por inteiro, de todas as pessoas.

E isso é resultado o tempo todo e por toda a vida!

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios*