De buscas e fugas

Albert Einstein, o genial cientista, foi perseguido pelo governo americano durante vinte e dois anos. O FBI (Federal Bureau of Investigation) não só grampeou o telefone dele, como vasculhou suas correspondências e até as latas de lixo da casa onde ele morava. Nada encontrava, mas também não desistia.

Constava na ficha policial de Einstein que ele era filiado a trinta e quatro frentes comunistas, no período de 1937 a 1954. O conjunto de supostos antecedentes e a desconfiança de que fosse um espião de Moscou, em plena Guerra Fria, impediu o cientista ser considerado um cidadão americano. Jamais obteve a almejada cidadania.

As suspeitas não paravam por aí. Em seu prontuário havia a acusação de que ele teria inventado um raio exterminador e um robô capaz de ler a mente humana. Diante de tal poder, era considerado alguém de alto risco. Ele fugia, se esquivava.  

Não pense que deram sossego a ele. Sequer foi poupado depois de sua morte. Dessa vez, não foi o FBI que nada encontrou para fundamentar as suposições.  Quem continuou vasculhando seus mistérios foram seus colegas cientistas. Simplesmente fatiaram seu cérebro em duzentos e quarenta pedacinhos à procura de algo que pudesse explicar a sua genialidade.

Tanto o governo americano, via FBI, como seus pares podiam ter acreditado no que Einstein sempre dizia, sem nada esconder, tentando explicar o seu diferencial: “a única coisa anormal que tenho é a minha curiosidade”.

Trocando em miúdos, Albert Einstein não era um ser de fuga, mas um ser de busca, movido por sua incansável curiosidade. Não era diferente de outro gênio da humanidade, que tinha a mesma inclinação para a busca: Leonardo da Vinci.

Deste, é a frase de quem prefere a busca à fuga: “aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende”. Daquele, a instigante, mas inquestionável afirmação: “a curiosidade é mais importante que o conhecimento”.

Uma curiosidade que se intensifica ainda mais quando existe um bom propósito. Basta praticar para comprovar.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios*