Afeto sim, afago não

Questões emocionais e de relacionamento fazem parte da alma de uma empresa. Não podem ser ignoradas. E, delas, ninguém sai ileso. Mexem com o ânimo das pessoas e afetam diretamente a qualidade do trabalho. É preciso muito autocontrole e autodomínio para mantê-las afastadas das outras áreas da vida. E aí? Como lidar com esse universo de emoções, em uma empresa que, em geral, está pressionada por desafios do negócio, dos resultados, das exigências dos clientes?

 

É papel do líder elevar a alma da empresa. Essa é uma das atribuições que torna alguém digno da liderança. É algo que vai muito além da otimização dos recursos, prática bastante comum dos chefes. Pois bem, elevar a alma da empresa significa impulsionar o desejo das pessoas. Só um propósito é capaz disso.

 

As questões emocionais e de relacionamento são dúbias. Expressam sentimentos. Mas, ao lidar com algo tão delicado, o líder pode exagerar na medida e pegar o caminho errado. Pensando em promover a alma da empresa, ele acaba patrocinando a empresa sensível, dengosa feita de pessoas mimadas. Isso acontece quando ele tenta suprir a carência, em vez de promover o desejo. No intuito de exaltar o criador, acaba por enaltecer a criatura.

 

Só que ao dar tanto espaço à criatura, alimenta a dor e o sofrimento. Gera, então, o ambiente das lamúrias e do chororô. Nessa hora, o propósito sai de cena. A criatura carente está em busca de proteção, resguardo, atenção. O mundo ao seu redor lhe deve algo, por isso cobra e exige, seja  com aflição ou mesmo com agressividade.

 

O líder que embarcar na canoa furada das carências não terá tempo para mais nada. São infinitas. Não é possível satisfazê-las, porque têm uma capacidade imensa de multiplicar-se. Daí, vale repetir, tratar das carências é enaltecer a criatura que mora dentro de cada um de nós. Promover o desejo é evocar o criador, a essência, aquela que está voltada para fora, para o serviço, para a contribuição.

 

Afeto sim, faz parte de uma empresa mais humana. Afagos, no entanto, contribuem para promover distorções do entendimento do que seja uma empresa com alma. Saiba muito bem qual é a diferença e não caia na armadilha!

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios*