Abram alas para os empreendimentos ípsilones!

Lampejos de esperança no horizonte! Vem aí uma nova era, que promete um futuro melhor para o mundo dos negócios! Novos empreendimentos estão surgindo e outros, sonhados, pensados, criados e implementados pela tão propalada Geração Y.

Psicólogos, cientistas sociais e comportamentais têm se dedicado ao estudo das características dessa geração e daquelas que a precederam. Muitas dessas características são animadoras:

1)    A Geração Y nasceu em uma era de grandes avanços tecnológicos, o que influenciou sua forma de se comunicar com velocidade, linguagem apropriada e tráfego desenvolto, mesmo diante de limitações do tempo e do espaço.

2)    Dizem que os ípsilones têm dificuldades de aceitar o fracasso. São, pois, perseverantes, qualidade imprescindível a quem decide empreender. Possuem outra relação com o risco.

3)    Os jovens ípsilones têm mais facilidade de atuar em equipe, de falar o que pensam, de dar e receber feedback imediato e constante. Preferem um ambiente de trabalho em que haja comunicação lateral, independentemente de cargos. Tendem, com isso, a criar ambientes de trabalho mais autênticos.

4)    Para os ípsilones, a vida está em primeiro lugar. Eles querem integrar vida e trabalho, o que tende a tornar ambas mais ricas, uma nutrindo a outra.

5)     Para os ípsilones, as regras de dentro contam mais do que as regras de fora. Recursos como uma carta de valores ou de princípios tendem a funcionar melhor nos ambientes da Geração Y.

6)    Relacionamento conta muito.  Os ípsilones fazem isso com naturalidade e, para eles, chega a ser um fator higiênico, ou seja, parte integrante do cotidiano, assim como tomar banho ou escovar os dentes.

7)    Talento é o que conta! Os ípsilones gostam de talento. Faz parte de suas conversas preferidas. Não é à toa que, para uma geração sem ídolos, abriram uma exceção para Steve Jobs.

8)    Para os ípsilones, ambientes de trabalho e de negócios não são apenas ambientes de trabalho e de negócios. São um lar alternativo.

9)    Os ípsilones são mais abertos e ousados. E criativos. O cargo não importa, importa a ideia, venha de onde vier.

Nas gerações anteriores, a burocracia e a sistematização eram mais valorizadas, mesmo que bloqueassem as ideias. Além disso, a produtividade contava mais pontos do que a criatividade. Pior: ser criativo nem sempre era uma boa ideia.

10) A Geração Y é mais consciente em relação às causas sociais. Ajudar os outros faz parte da sua missão de vida. Empreende, pois, com uma visão progressista, humana e solidária.

Como se pode ver, o otimismo inicial tem boa sustentação. Que venha a Geração Y com seus empreendimentos ípsilones! Precisamos urgente de uma nova economia, de novos mercados e de um mundo melhor para oferecer às próximas gerações. Já não era sem tempo!

 

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios*