A armadilha da comparação

Lembro-me, ainda hoje, daquele olhar de espanto. Alterou completamente a expressão do empresário, um dos participantes do programa de educação que eu conduzia:

– Mas, como? Quer dizer que não devo comparar a empresa com outras do mesmo ramo?

– A comparação é desnecessária – respondi, firme no meu argumento.

– Mas preciso de uma referência para saber se a minha está indo bem ou não.

– Tome-a como referência, em relação ao que foi, no passado. Veja se está evoluindo a partir de si mesma.

É claro que ele não se convenceu, ao menos naquele momento. Achava que não comparar seria deixar de competir. E ambos os verbos – o primeiro, uma armadilha fatal – são considerados, ainda hoje, imprescindíveis para quem deseja atuar no mercado.

Comparar é um dos passatempos favoritos de líderes e empresários, embora seja um dos hábitos que mais enfraquecem pessoas e negócios. A empresa alheia sempre parece estar em patamar superior, as realizações do outro líder sempre parecem ser maiores, bem como seu futuro sempre parece ser mais promissor. O efeito nocivo da comparação é que a atenção nunca está onde deveria efetivamente estar. Perde-se a capacidade de refletir, de pensar com clareza.

O prezado líder e empresário do diálogo lembrado integra   um grupo maior para o qual negócios precisam competir entre si. Todos acreditam piamente nisso. Não compreendem é que a comparação só os faz ficar ainda mais parecidos entre si, portanto, sem nenhuma distinção aos olhos do mercado. Então, sem um diferencial, só lhes resta a competição predatória, que beira a rivalidade, naquele embate de preços e prazos. Estão envolvidos, na verdade, em uma disputa desenfreada para ver quem fica mais pobre primeiro.

Outra armadilha da comparação está na imitação e a imitação é um tipo de autossabotagem, pois inibe o próprio potencial. “O homem que imita as ondas apenas dá cambalhotas”, diz um velho ditado.

Os programas de educação da Metanoia mostram como transformar a empresa para que seja única, dotada de identidade e personalidade própria. Incomparável, portanto! Ser fiel ao seu propósito e ter valores únicos permite que as pessoas que lá trabalham liberem seus dons e talentos e sejam criativas.

Com um jeito de ser e de fazer negócios totalmente próprio, a empresa única dispensa comparações. Aposte nela e colha ou louros!

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios*